Alguns meses atrás eu reli o volume único de As Crônicas de Nárnia . Já tinha ele em 2010 , mas precisava refrescar minhas memórias . O volume tem os 7 livros na ordem em que C.S Lewis ( autor da saga ) achou que seria mais fácil do público entender, e até numa ordem cronológica. Começa com O Sobrinho do Mago, depois O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa, Príncipe Caspian, As Viagens do Peregrino da Alvorada, enfim . Depois de viajar lendo o livro ( que devorei em 2 dias ), resolvi compartilhar com vocês a minha experiencia nessa resenha .

A aventura começa quando Polly, uma garota Londrina cheia de bons modos conhece seus vizinho imundo Digory . Os dois passam as férias de verão inteira brincando no quintal de Polly, até o dia em que ela lhe mostra o ” túnel ” do sótão de sua casa que era germinado ( grudado ) com todas as outras casas da rua . Na terceira casa depois da Polly, havia boatos de que ele era amaldiçoada. Os dois  aproveitaram a chance para dar uma espiadinha na casa, mas , sem querer ( e sem perceber ) acabaram entrando no quarto secreto da casa de Digory, onde vivia seu tio que se dizia mago, cheio de segredos . Depois de muita conversa , Tio André ( o Tio de Digory ) mostra a Polly uma mesa com dois anéis amarelos , e dois anéis verdes . Ele oferece um anel amarelo para Polly , que educadamente aceita. Ao tocar o anel , a garota some do quarto de Tio André . Tio André explica a Digory de que ela havia ido parar em outro mundo . Não em outro planeta . Nem outra galáxia . Mas sim em outro mundo .

Digory coloca um anel amarelo no dedo e de um instante para o outro , vai parar em um lugar que , pouco tempo depois , foi chamado de ”O Bosque entre dois mundos ”. O lugar era cheio de pequenas poças que davam em mundos diferentes , em um desses mundos, Digory acorda a Feiticeira Jadis , Rainha de Charn .

A rainha, de alguma maneira voltou para Londres com Digory e Polly, e tentou criar um reinado de terror na Terra . Sem seus poderes , ele é levada de volta ao Bosque , mas dessa vez eles não acharam a poça para Charn, e sim, para O Nada . Um lugar escuro, sem estrelas, sem nada .

Um leão aparece. Ele canta uma canção . De acordo com o modo em que ele canta a canção, a luz vai surgindo, estrelas sobem no céu, árvores brotam do chão, montanhas crescem, e tudo o mais. Animais também aparecem, e para eles é concedido o dom de falar . O Leão, chamado por todos os animais, e até Reis dos Mares e Ninfas, Aslam, declara criado o ” País de Nárnia


 

Um ótimo livro para você que só assistiu os três filmes ( horrorosos filmes ) , esse livro clareia suas idéias e te mostra exatamente o que é Nárnia . Depois de ler o último capítulo, sua cabeça irá explodir, e você não irá ver a hora de ler a próxima Crônica. Você irá descobrir a criação de Nárnia .

O lance dos anéis claramente foi inspirado por Tolkien ( escritor da saga  O Senhor dos Anéis e O Hobbit ), que era parceiro de Lewis em um clube de escritores. Mas não deve ser chamado de cópia. O uso dos anéis nas franquias é bem diferenciado uma das outras .

E ah, mas um aviso pra você que quer ler esse livro e só viu os filmes : Não tem batalhas . Nos 2 primeiros filmes, vemos batalhas grandiosas, com inúmeras lanças e escudos, e nesse livro não ocorre uma batalha sequer . Mas nem por isso ele perde a qualidade . É a minha crônica preferida . Cheia de reviravoltas . Você ama e odeia os personagens durante a leitura .

Lewis é um gênio na arte de entreter público infanto juvenil .

Se você tem um filho pequeno ( entre 6 e 7 anos , ou até mais ) leia essa história para ele . É muito divertida , e tenho certeza de que ele vai adorar . Quando eu o li pela primeira vez , era uma criança pequena e birrenta . Depois , comecei a entender o mundo .

Só não tem nota 10 porque são poucos capítulos e tem uma leitura muito rápida . Depois de ler , você vai ver , vai querer mais aventuras de Digory e Polly .